quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Egoísmo

O complexo eu decifro sozinho.
Quando termina olho para trás e penso
Fui eu que fiz e consegui.
Já o que vem de graça na vida
é tão grandioso
que eu preciso de alguém para dividir.



Pôr do sol no mar,
chuva na janela,
desabrochar de flores,
brisa no calor,
tardes de tédio,
romances no cinema,
eu não sei o que fazer com isso tudo sozinho.
Por isso escrevo.

7 comentários:

luisfilipe disse...

as coisas, as vezes, são grandes demais pra sustentar sozinho. é.

Jéssica V. Amâncio disse...

Realmente, das grandes coisas e oportunidades que o mundo nos oferece nada seria mais justo que compartilha-las, até porque, não as aguentariamos sozinhos, de tão intensas que são.

Murilo Araújo disse...

incontrolavel necessidade de ser sempre poetico. inata beleza de ver a poesia nas coisas simples, e te-las tao certas, tao carregadas de uma verdade como que superior...

impossivel apassivar-se diante de tudo (ainda que tudo nem sempre seja muita coisa).

ai a gente escreve.

Natália Corrêa disse...

Nossa, bem lembro de quando vim aqui :D

Gostei da sua poesia na primeira vez. Gostei agora também *-*

Marcel disse...

Faz muito bem!

Izabela Fardim disse...

Eu me alimento com recordações nostálgicas, as vezes, posso dizer.

E a tenho agora, menino. Apareça!

Fabricia Dias disse...

Ti minitinho....bjos